Publicado Terça, 19 de Junho de 2018 ás 02:09 - Atualizado 19/06/2018 ás 02:09

Largada para a Campanha Nacional 2018 no Rio Grande do Sul

Largada para a Campanha Nacional 2018 no Rio Grande do Sul
Pauta específica dos bancários gaúchos é entregue à Associação dos Bancos.
 
 
Foi dada a largada para a Campanha Nacional 2018 no Rio Grande do Sul. A mobilização pública dos bancários em Porto Alegre começou no final da manhã desta sexta-feira, dia 15, com ato em frente à sede da Associação dos Bancos no Estado do Rio Grande do Sul (Asbancos), na rua dos Andradas. Inicialmente, os dirigentes da Fetrafi-RS e de sindicatos subiram ao 17º andar do edifício Santa Cruz, para entregar a pauta específica dos bancários gaúchos. Os dirigentes sindicais foram recebidos pelo escriturário da Asbancos, Pedro Luis Martins, que recebeu a minuta de reivindicações dos bancários e avisou que a entregará ao presidente da entidade, o também presidente do Banrisul, Luiz Gonzaga Veras Mota.

Depois disso, um ato foi realizado em frente ao prédio. Em sua fala destinada aos bancários e para a população de Porto Alegre que passava pela rua da praia, o diretor da Fetrafi-RS, Juberlei Bacelo, destacou as dificuldades que os bancários enfrentarão na Campanha nacional deste ano. A orientação é para que os colegas pressionem em todos os locais de trabalho, para que o Acordo Coletivo Nacional do ano passado seja renovado até 31 de agosto. Isso porque a reforma trabalhista (golpe na CLT) deu fim a ultratividade nos Contratos Coletivos de Trabalho, deixando, assim, em risco tudo que os bancários conquistaram com muita luta em muitos anos. "Estamos dando a largada para a verdadeira Copa que enfrentamos este ano. É a primeira campanha que os bancos são o mesmo que o governo a ser enfrentado. Os banqueiros são os patrocinadores do golpe de 2016. O objetivo do golpe é atacar os direitos dos trabalhadores. Não é reformar, mas acabar com os direitos da classe trabalhadora”, explicou Juberlei.

Não por acaso, a campanha deste ano começou mais cedo e traz, além de aumento real nas verbas salariais, um eixo temático que alerta para a defesa dos bancos público e para a renovação do acordo coletivo até 31 de agosto. O contexto é de golpe nos nosso direitos. "O país virou uma lambança, virou uma bagunça. Bate recorde de desempregos e, por outro lado, os banqueiros não vivem no mundo real que os trabalhadores vivem. Qual é o papel dos bancos na sociedade brasileira? Só exploram a população com a cobrança de altas tarifas e altas taxas de juros”, finalizou Juberlei.

A primeira mesa de negociação com a Fenaban está marcada para 28 de junho.

 

Prioridades da nossa proposta de reivindicações da Campanha Nacional de 2018

> Aumento real de 5% para os salários e demais verbas

> Defesa da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) com todos os direitos para todos os trabalhadores da categoria

> Manutenção da mesa única de negociações entre bancos públicos e privados

> Manutenção dos empregos, com a proibição das demissões em massa

> Garantir que nenhum bancário receba PLR menor em 2018

> Defesa dos bancos públicos

 

> Defesa da democracia

Informações: Fetrafi-RS com SindBancários